Número total de visualizações de página

terça-feira, 5 de abril de 2011

ÁLCOOL X MENTE!

Bebidas alcoólicas: Um perigo para a mente!
O Etanol, composto químico que pode ser encontrado na maioria das bebidas alcoólicas, é uma neurotoxina, isto é, uma substância que pode danificar ou até destruir o sistema nervoso. Quando uma pessoa fica bêbada, ela está na verdade, sofrendo um tipo de "envenenamento". Em grandes quantidades, o etanol resulta em coma e morte! A fala, a visão , a coordenação, o pensamento e o comportamento, estão todos ligados a uma série extremamente complexa de reações químicas que ocorrem nos neurônios cerebrais ou células integradoras. Beber com frequência faz a química do cérebro se adaptar para compensar o efeito tóxico do etanol e manter a função do nervo normalizada. Quando a pessoa fica sem álcool a química do seu cérebro fica completamente desestabilizada e começam a se desenvolver os sintomas de abstinência, como ansiedades, tremores e até convulsões. Além de causar alteração na química cerebral, o abuso do álcool pode levar a degeneração e a destruição celular, modificando a própria estrutura do cérebro. Embora a abstinência possibilite a recuperação parcial, alguns destes danos parecem ser irreversíveis, o que afeta ainda mais a memória e outras funções cognitivas.

O fígado tem um papel fundamental em metabolizar alimentos, combater infecções, regular o fluxo sanguíneo e eliminar substâncias tóxicas do corpo, inclusive o álcool. O uso prolongado do álcool, pode prejudicar e muito o fígado. Primeiro, a decomposição do etanol torna lenta a digestão de gorduras, de forma que elas se acumulam no fígado. Isso se chama esteatose hepática, ou fígado gorduroso. Com o tempo, se desenvolve uma inflamação crônica no fígado, ou hepatite. Embora o álcool talvez cause diretamente a hepatite, é provável que ele também diminua a resistência do corpo contra os vírus das hepatites B e C. O estágio final, é a cirrose. O ciclo vicioso de inflamação e destruição celular constantes, causam lesões irreversíveis. Isso faz o fígado ficar "granulado" em vez de parecer "esponjoso". Por fim o tecido cicatricial, impede o fluxo normal do sangue, resultando na falência do fígado e na morte!

A ação do álcool no fígado tem outro efeito colateral insidioso: diminui sua capacidade de defesa e de neutralização do efeito dos agentes causadores de câncer! Além de favorecer o desenvolvimento do câncer no fígado, o álcool aumenta grandemente o risco de câncer na boca, na faringe, na larine e no esôfago. Além disso, o álcool facilita que as substâncias cancerígenas do tabaco penetrem na mucosa da boca, aumentando o risco para os fumentes! (Por Everaldo Andrade para o Jornal: O Pratiano, Nº 322)

O assunto é mesmo sério pessoal! Beber pequenas quantidades (nas refeições) e de vez em quando, com muito equilíbrio é menos prejudicial....vamos nos cuidar....

Sem comentários:

Enviar um comentário